Fale Conosco
55 (11) 3284 9500
jobeconomia@jobeconomia.com.br
Acesso Cliente
 
Notícias
 
23/01/2020 - Canal Rural
Davos 2020 e o negócio de cana-de-açúcar

Davos 2020 e o negócio de cana-de-açúcar.

As mudanças globais no mundo dos negócios estão em evidência na reunião de Davos -Suíça que ocorre neste mês de Janeiro.

Tudo indica que a gestão das empresas caminha para além do lucro. A rentabilidade sobre capital próprio ou patrimônio líquido continua sendo necessária, mas está deixando de ser suficiente.

O novo capitalismo que se destaca em Davos é o capitalismo das partes interessadas (Stakeholders Capitalism). Ou seja, o negócio da empresa não deve ser bom somente para o dono ou acionista majoritário do negócio. Tem que ter boa governança para proteger os acionistas minoritários, clientes e fornecedores. Tem que ser bom para a geração de empregos e para o meio ambiente. Este é o novo conceito de sustentabilidade dos negócios.

E daí? Que consequências tem isto para a usina de cana que produz açúcar, etanol e energia elétrica?

Do lado positivo:

1 -Sem ter a pretensão de esgotar o assunto, uma primeira consequência é relacionada ao meio ambiente. Esta é uma variável que atua a favor da usina, produtora de energia elétrica renovável (de bagaço de cana) e etanol, este combustível eficiente como redutor de emissão de gases de efeito estufa (GEE).

2- Além deste lado positivo para o setor canavieiro, teremos uma maior disponibilidade de financiamentos de fundos com viés de “projetos verdes”.

Do lado negativo: 

O petróleo e a gasolina, combustíveis fósseis, podem afetar negativamente o setor de duas maneiras.

3 – Existe um potencial expressivo de redução de seu uso. Isto porque Davos sinaliza aversão a produtos que emitem gases de efeito estufa (GEE) e petróleo e derivados são grandes emissores de GEE . Teremos então uma transição energética, na medida em que se reduz a demanda de combustíveis líquidos pelo uso de carros híbridos, elétricos e veículos mais eficientes. Desta forma, a demanda de combustíveis líquidos diminui, em particular etanol.

4 – Além disso e como consequência desta condição de mercado, o preço do petróleo e derivados tende a ser menor, prejudicando a competitividade do etanol como combustível.

5 – Uma outra consequência está relacionada ao atendimento das necessidades do consumidor. Este quer ter suas necessidades atendidas pelo mínimo custo. Ou seja, o consumidor (em particular de paises ricos) pode apoiar a redução de emissões de GEE desde que seja pelo mínimo custo. É neste momento que surge a competição do lado da oferta de energia renovável.

Neste caso devemos destacar como competidores do etanol de cana a energia solar, eólica e etanol de milho.  Vale lembrar que o milho safrinha também é um produto eficiente como redutor de emissão de gases de efeito estufa (GEE).

Este e outros assuntos relacionados à nova safra 2020/21, preços e comercialização serão tratados em nosso próximo 19º Seminario JOB Economia, a ser realizado em 03 de Abril de 2020 no Hotel Intercontinental em São Paulo-Capital. E principalmente, muita discussão deverá ocorrer neste evento pois os temas são polêmicos e necessários para um posicionamento estratégico do produtor.

Julio Maria M. Borges

Sócio-Diretor da JOB Economia e Planejamento.   Conselheiro de Administração.

Email: julioborges@jobeconomia.com.br                Site: www.jobeconomia.com.br

 
 
 
 
 
 
Nome
Cidade
 
 
E-mail
 
Onde nos conheceu?
 
 
   
 
 
55 (11) 3284 9500 / jobeconomia@jobeconomia.com.br / skype: job.escritorio
JOB Economia desde 1994. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização. Criado por DRW Integrada
 
Institucional
Produtos
Serviços
Contato
Redes Sociais