Fale Conosco
55 (11) 3284 9500
jobeconomia@jobeconomia.com.br
Acesso Cliente
 
JOB na Mídia
 
   
  Reuters
13/04/2017
A nova safra 2017/18 de cana, açúcar e etanol I.
Inicialmente devo destacar que, de forma geral, iremos nos aproximar em 2017/18 da safra anterior 2016/17. A moagem de cana no Brasil será ligeiramente menor (2%) , a produção de açúcar será maior (2,8%) e a produção de etanol, menor (5%). O abastecimento do mercado interno de etanol será pior que aquele de 2016/17 se as importações não compensarem a redução da disponibilidade interna do produto.

A nova safra 2017/18 de cana, açúcar e etanol I.

Inicialmente devo destacar que, de forma geral, iremos nos aproximar em 2017/18 da safra anterior 2016/17. A moagem de cana no Brasil será ligeiramente menor (2%) , a produção de açúcar será maior (2,8%) e a produção de etanol, menor (5%). O abastecimento do mercado interno de etanol será pior que aquele de 2016/17 se as importações não compensarem a redução da disponibilidade interna do produto.

Mais detalhes estão abaixo e são extraídos de entrevista concedida hoje a Roberto Samora da Reuters.

A safra de cana do CSul do Brasil na temporada 2017/18 deverá cair 2,3 por cento na comparação com o ciclo anterior, para 593 milhões de toneladas, com alguns importantes Estados produtores como Goiás e Minas Gerais registrando perdas de produtividade em função da falta de chuvas

Choveu menos no período de abril de 2016 a março de 2017. Na média do CSul choveu 10 por cento menos que o normal e isso afeta para pior o rendimento agrícola da safra 2017/18.

A distribuição de chuvas no CSul foi bastante irregular no último ano. São Paulo (maior produtor do CSul) , Mato Grosso do Sul e Paraná tiveram chuvas abaixo da média, mas ainda na faixa da normalidade. No entanto, Goiás e Minas Gerais, segundo e terceiro maiores em área de cana, registraram no período chuvas 31 por cento e 23 por cento abaixo da média, respectivamente

A área plantada para 2017/18 no CSul teve um aumento de 2 a 3 por cento ante a temporada passada, insuficiente para compensar a quebra de produtividade dos canaviais. O rendimento agrícola para 2017/18 deve ficar entre 73 e 74 toneladas de cana por hectare, ante 76,5 toneladas na temporada passada, um total relativamente distante do recorde registrado em 2009/10, de 86 toneladas/hectare.

A renovação do canavial feita para esta safra até aumentou, o que poderia ter favorecido mais as produtividades não fosse o problema climático. A renovação ainda não chega a favorecer muito o rendimento agrícola, mas o canavial está melhor tratado, menos sujeito a pragas e doença

Apesar da redução da nova safra, a produção de açúcar está prevista em 36,6 milhões de toneladas em 2017/18, ante 35,6 milhões em 2016/17. A produção de etanol do CSul do Brasil em 2017/18, por sua vez, vai recuar para 24,25 bilhões de litros, ante 25,65 bilhões em 2016/17.               
etanol até este momento se mostra menos atrativo que o açúcar para o produtor.

 
 
 
 
 
 
Nome
Cidade
 
 
E-mail
 
Onde nos conheceu?
 
 
   
 
 
55 (11) 3284 9500 / jobeconomia@jobeconomia.com.br / skype: job.escritorio
JOB Economia desde 1994. Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização. Criado por DRW Integrada
 
Institucional
Produtos
Serviços
Contato
Redes Sociais